Roland Garros 2021: as previsões do Bola Amarela

Por Bola Amarela - Maio 29, 2021
Nadal

É já este domingo que arranca mais um Grand Slam e, por isso mesmo, é dia de previsões no Bola Amarela. Quem achamos que vão ser os campões, as surpresas, as maiores desilusões de Roland Garros? Deixámos aqui as nossas opiniões e está na hora de nos dar a sua…

MASCULINO

Campeão

José Morgado – Rafael Nadal: Estamos em Roland Garros. A justificação é essa…

Nuno Chaves – Rafael Nadal: São 13 vezes a ganhar…

Pedro Pinto – Rafael Nadal: A tentação de colocar aqui o nome de Stefanos Tsitsipas foi muita, mas ainda não parece ser o ano do grego. À melhor de cinco sets, o espanhol é o mais perto de imbatível que se já viu alguém em Roland Garros, pelo que não vejo ainda a força suficiente de Tsitsipas ou até Zverev – ou a fraqueza de Nadal – para haver uma surpresa. E Rafa parece ter a vantagem clara a nível mental sobre Nole apontando a um embate nas ‘meias’…

Primeiro top 10 a cair

José Morgado – Daniil Medvedev: Será desta que o russo vence finalmente um encontro em Roland Garros? Tenho muitas dúvidas, especialmente tendo Alexander Bublik pela frente na primeira ronda.

Nuno Chaves – Roger Federer: Apesar de acreditar que o seu nível de jogo vai ser consideravelmente mais alto que em Genebra, acredito também que a sua cabeça vai estar em Wimbledon.

Pedro Pinto – Diego Schwartzman: Os tempos não estão fáceis para o argentino. Tendo em conta o sorteio, até é suposto passar sem grandes problemas as duas primeiras rondas – Mannarino ou Bedene podem dar algum trabalho na segunda -, mas a terceira prevista com Aslan Karatsev é terrível.

‘Dark horse’

José Morgado – Kei Nishikori: o ex-top 5 mundial já chegou aos quartos-de-final em Paris por duas vezes e, não sendo sequer cabeça-de-série, enquadra-se nesta categoria. O seu quadro não é fácil, mas também poderia ser bem pior…

Nuno Chaves – Jannik Sinner : É um talento incrível e considero ter um bom quadro para chegar bem longe. No ano passado foi o jogador que mais trabalho deu a Nadal…

Pedro Pinto – Casper Ruud: Muito cuidado com um dos verdadeiros especialistas em terra batida. A cadência de resultados do norueguês nos grandes palcos tem sido impressionante e pode ter no tanque uma longa caminhada em Paris. É uma noite a ter muito em conta na metade inferior do quadro.

FEMININO

Campeã

José Morgado – Iga Swiatek: A polaca está a jogar muito e parece lidar bem com a pressão de ter os olhos todos em cima dela.

Nuno Chaves – Ash Barty: Gostei muito da sua temporada de terra batida. Joga muito bem nesta superfície, é a número um mundial e já sabe o que é vencer aqui em Paris.

Pedro Pinto – Aryna Sabalenka: Chega a ser impossível de acreditar que a bielorrussa nunca tenha ultrapassado os oitavos-de-final de um torneio do Grand Slam. Mas Sabalenka parece chegar em ponto de rebuçado a Paris. Não tem um quadro terrível e tem claras hipóteses de viver o seu momento de maior afirmação.

Primeira top 10 a cair

José Morgado – Sofia Kenin: vice-campeã em 2020, a jovem norte-americana não tem conseguido ser feliz em 2021, tendo muitas dificuldades em ganhar encontros. Na primeira ronda, defronta Ostapenko, campeã em 2017.

Nuno Chaves – Sofia Kenin: Está a ser um ano para esquecer. Defronta Ostapenko na primeira ronda, não ajuda nada ao momento…

Pedro Pinto – Sofia Kenin: A norte-americana está a viver tempos de crise e tem até mais derrotas do que vitórias em 2021. Como se isso não bastasse, tem a difícil tarefa de enfrentar Jelena Ostapenko, a campeã de Roland Garros em 2017. A letã é bem capaz de produzir ténis inspirado e pode aproveitar a falta de confiança de Kenin.

‘Dark horse’

José Morgado – Coco Gauff: A menina prodígio de 17 anos está em grande forma e tem um quadro interessante até aos oitavos-de-final, onde poderá encontrar Ash Barty. Promete…

Nuno Chaves – Jessica Pegula: É a décima melhor jogadora em 2021. Caso se confirme a eliminação de Kenin, o seu quadro vai abrir. Vamos ver como surge em Paris.

Pedro Pinto – Paula Badosa: Com uma série de triunfos de assinatura, a espanhola encontra-se no meio de uma época de plena afirmação. E está longe de ser impensável vê-la alcançar, por exemplo, os quartos-de-final em Paris. ‘Só’ precisa de desbloquear o embate com Naomi Osaka, que vive pesadelos em terra batida, como bem sabemos.

Bola Amarela