De Draper a Shelton: cinco apostas que podem conquistar o seu primeiro título ATP em 2023

Por Pedro Gonçalo Pinto - Dezembro 2, 2022

Com o ténis a entrar numa fase mais calma até ao arranque do próximo ano, está na hora de começarmos a olhar para o que poderá acontecer na temporada de 2023. Começamos as nossas previsões ao apontarmos cinco jogadores que estão bem posicionados para conquistarem o primeiro título da carreira ao longo da próxima época. Será que vamos acertar em algum?

Botic van de Zandschulp

Atualmente no 35.º posto do ranking ATP, o neerlandês é o jogador mais bem classificado ainda sem qualquer troféu ao mais alto nível. No entanto, atingiu a final em Munique, desistindo com um ataque de ansiedade. Van de Zandschulp tem ténis para funcionar em diferentes superfícies e, se tiver um quadro simpático, é um tenista capaz de fazer a diferença. Um torneio de piso rápido indoor assenta-lhe que nem uma luva.

Jack Draper

Com uma ascensão meteórica em 2022, o jovem britânico conquistou quatro títulos Challenger para dar que falar e mostrar-se como uma das promessas do circuito. Tem ténis para dar e vender, com muito poder de fogo nas suas pancadas, sendo que a sua forma de jogar deixa-o claramente na rota de vários títulos ATP. O primeiro de muitos tem tudo para surgir algures em 2023, essencialmente em hard courts.

Jenson Brooksby

Já não é um desconhecido para ninguém, até porque já jogou três finais ATP na sua carreira, duas delas em 2022. No entanto, continua a faltar-lhe um troféu no circuito principal, sendo que apresenta um ténis diferente mas bem capaz de o alcançar. Depois de falhar na relva de Newport e nos hard courts de Dallas e Atlanta, Brooksby quer dar um salto qualitativo para quebrar esse jejum.

Jiri Lehecka

Ainda dentro da linha dos tenistas jovens, Lehecka tem 21 anos e ocupa o 80.º posto da hierarquia mundial masculina. É a aposta mais arriscada desta lista, mas a verdade é que o vimos chegar à final das Next Gen Finals, perdendo somente para Brandon Nakashima. O checo tem muita margem de progressão e é outro jogador que se mostra extremamente versátil.

Ben Shelton

Poucos surpreenderam mais do que esta estrela do circuito universitário norte-americano. De tal maneira que Shelton já não voltou à Universidade da Flórida e agora está a tempo inteiro no circuito ATP. Entrou no top 100 mesmo a fechar a temporada e tem tudo para alcançar os voos mais altos, começando por conquistar algum título, algo que parece perfeitamente ao seu alcance. Afinal de contas, já somou uma série de excelentes vitórias.

Pedro Gonçalo Pinto
Comentador Sport TV e ligado ao Jornal Record. Ténis acima de tudo.