Wilander: «Murray sentiu a pressão em juntar-se novamente ao Big 3 num Grand Slam»

Por Nuno Chaves - Janeiro 31, 2019
Tennis – Australian Open – First Round – Melbourne Arena, Melbourne, Australia, January 14, 2019. Britain’s Andy Murray looks dejected after losing the match against Spain’s Roberto Bautista Agut. REUTERS/Lucy Nicholson – UP1EF1E0XYYX8

Andy Murray foi operado esta terça-feira à anca para tentar resolver, de uma vez por todas, os problemas que o têm afetado desde 2017. As reações de afeto não demoraram a chegar e agora foi a vez de Mats Wilander falar sobre as possibilidades que o escocês tem para o futuro.

“Creio que é muito pouco provável que vejamos o Murray a jogar ao nível de há uns anos depois da cirurgia. Neste momento há um bom número de jovens que lhe podem vencer rapidamente. É certo que pode haver semanas em que consegue vencer devido a erros dos outros, mas vão existir imensos dias onde se vai sentir superado. Conheço esse sentimento e é muito complicado”, confessou o sueco, em declarações ao Tennis 365.

Wilander deixou também muitos elogios ao antigo número um mundial. “Está entre os 20 melhores de todos os tempos. Os seus feitos ao ganhar duas medalhas de ouro olímpicas e alguns Grand Slams coincidindo com o Big 3, fazem-no merecer para estar neste ranking. Foi uma pena ter atravessado por estas lesões nos últimos dois anos. Tenho a certeza que ia ter mais títulos se mantivesse o ritmo de 2016”, afirmou.

Sobre a participação no Open da Austrália, Wilander deu a sua opinião. “Creio que o Murray não devia ter jogado. Ele sabia que não estava fisicamente apto para jogar encontros à melhor de cinco sets, mas mentalmente estava fresco. A pressão também de se juntar novamente ao Big 4 num Grand Slam também pode ter influenciado a sua decisão”.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.