Quem é o inconsequente e invulgar semifinalista do Millennium Estoril Open?

Por Susana Costa - 4 Maio, 2019
Alejandro-Fokina

Se podia ter sido apenas mais um jogador a passar discretamente pela fase de qualificação do Millennium Estoril Open? Podia, mas Alejandro Davidovich Fokina não se diz “diferente” apenas para português ver e lançou-se torneio adentro e já está nas meias-finais do ATP 250 nacional.

Sem nunca ter vencido qualquer encontro em provas do circuito profissional até esta semana, o espanhol de 19 anos, 167.º do ranking ATP, conta já com cinco triunfos consecutivos arrebatados na terra batida do Estoril, três deles no quadro principal, o último dos quais contra Gael Monfils, número 18 mundial.

Até onde vai, não sabemos; o que sabemos, sim, é que há uma mãos cheias de factos que talvez não saiba sobre o jogador que acredita que ser “louco” e “imprevisível” lhe dá vantagem nos momentos-chave dos encontros.

Antes de entrar em court neste sábado, frente a Pablo Cuevas, para tentar dar mais um passo em frente no Clube de Ténis do Estoril, contamos-lhe 16 curiosidades sobre Alejandro Davidovich Fokina:

1. É filho de pai sueco e mãe russa

2. O seu pai, que foi praticante profissional de boxe, inscreveu-o no ténis aos dois anos e meio

3. É natural de Málaga e começou a jogar torneios em Portugal desde muito cedo

4. Venceu o título de Wimbledon júnior em 2017

5. Conquistou em Portugal o primeiro (e único) título da carreira até ao momento, um Future da Quinta do Lago, em 2018

6. Tem em Novak Djokovic a sua referência

7. Karlina Pliskova é a sua jogadora favorita

8. Fez 90 amorties num encontro, num torneio sub-14

9. Gosta de utilizar o serviço por baixo

10. Perdeu com Pedro Sousa na terceira ronda do Challenger de Alicante, no mês passado, em três sets

11. Foi comparado a Novak Djokovic e Kei Nishikori por Taylor Fritz, durante o encontro da primeira ronda no Estoril

12. É um orgulho admirador de jogadores imprevisíveis, como Nick Kyrgios, Fabio Fognini e Alexandr Dolgopolov

13. “Por onde passo, arraso”: é assim que traduz o tsunami que tem tatuado no antebraço, conforme explicou em entrevista concedida ao site Punto de Break

14. Considera a “cabeça do Nadal” a melhor “pancada” do circuito

15. A campanha no Estoril abriu-lhe as portas para o Madrid Open, onde vai jogar pela primeira vez o quadro principal de um Masters 1000, enquanto convidado da organziação.

16. Não tem medo de altos voos:

 

Susana Costa
Descobriu o que era isto das raquetes apenas na adolescência, mas a química foi tal que a paixão se mantém assolapada até hoje. Pelo meio ficou uma licenciatura em Jornalismo e um Secundário dignamente enriquecido com caderno cujas capas ostentavam recortes de jornais do Lleyton Hewitt. Entretanto, ganhou (algum) juízo, um inexplicável fascínio por esquerdas paralelas a duas mãos e um lugar no Bola Amarela. A escrever por aqui desde dezembro de 2013.