Nuno Borges: «É um bocadinho intimidante ver a minha cara em todo o lado»

Por José Morgado - Novembro 29, 2020
borges-vdl
Foto FPT

Nuno Borges, o único dos seis portugueses a entrar em ação esta segunda-feira no quadro principal de singulares do Maia Open, mostrou-se este domingo muito contente pelo facto de voltar a competir em casa, numa semana especial em que é uma espécie de cabeça de cartaz do torneio, com a sua cara espalhada pela sua cidade.

“Estou muito contente por voltar a competir em casa. É um bocadinho intimidante ver a minha cara em todo o lado, mas é muito bom. Já tirei umas fotos para recordação, para ver daqui a uns anos. É engraçado que os outros jogadores perguntam-me se sou eu, mesmo aqueles que não me conhecem tão bem”, brincou o maiato, que admite ainda assim não ser muito popular pela cidade. “Fora do complexo ninguém me conhece. Mal sabem quem é o João Sousa quanto mais eu”.

O jogador da casa não quer colocar demasiada pressão nele mesmo para esta semana. “Vou jogo a jogo. Tem de ser. O torneio está ainda mais duro do que em 2019. No ano passado já estava forte e este ano mais ainda. Tenho de ir jogo a jogo, focar-me nisso e pensar depois no resto. Já joguei contra ele nos sub-18 e levei uma tareia. Mas já passou muito tempo e ambos estamos a jogar melhor. Conheço mais ou menos, ele já ganhou Challengers e vai ser um encontro muito duro.”

Borges acredita que estas condições serão melhores para ele do que aquelas que encontrou em Lisboa, onde bateu um ex-top 25 antes de perder na segunda ronda do Belém Open. “Condições diferentes de Lisboa, mas o que fiz no CIF prova que posso ganhar encontros a este nível. Sinto-me melhor aqui. Ser indoor ajuda. Está do meu agrado. Mesmo em terra, sinto-me bem a jogar em recinto coberto. E estou melhor preparado para terra aqui do que estava em Lisboa.”

José Morgado
Jornalista do Jornal Record e Comentador Sport TV. Ténis 24/7.