Nadal: «Se nos obrigarem a tomar a vacina, Djokovic terá que ceder»

Por Tiago Ferraz - Maio 7, 2020
rafael-nadal
REUTERS/Sergio Perez – RC1FD98A35A0

Rafael Nadal falou com a rádio espanhola La Voz de Galicia onde falou sobre a possibilidade dos tenistas virem a ser obrigados a tomar vacina contra a covid-19 sendo Novak Djokovic contra a vacinação.

“Cada um é livre e eu não sou ninguém para exigir nada a ninguém, mas cada um deve reger-se pelas normas que há no circuito. Se nos obrigarem a tomar a vacina, Djokovic terá que se vacinar, isto se quiser continuar a jogar ténis. Se a ATP ou a ITF nos obrigarem, teremos que o fazer. Temos que seguir as regras”, disse, citado pelo Punto de Break.

O tenista espanhol falou ainda sobre o reflexo da paragem no circuito e diz que a diferença de idade nalguns tenistas pode pesar: “Esta situação não afeta todas as pessoas por igual. Não é a mesma coisa para alguém com 38 anos como Federer e para outro tenista com 21 anos. Se isto tivesse acontecido quando eu tinha 21 anos, diria que era uma situação horrível, mas ainda tinha toda a carreira pela frente. Tens mais oportunidades para ganhar títulos importantes para a carreira. O efeito que terá em mim será igual aos que outros tenistas, com a minha idade, vão sentir e, além disso, eu tenho um corpo muito desgastado. Vai ser preciso muito trabalho para voltar a estar a 100%. Acredito que isso possa acontecer e que eu posso lutar por tudo no regresso (do circuito)”, revela.

Nadal falou ainda da luta do Big Three para ver quem acaba com mais torneios do Grand Slam e diz que não está a pensar nisso:

“Eu faço a minha carreira, não vivo preocupado com o que se passa com o colega do lado. Cada um deve estar satisfeito com o que tem feito na carreira e é o faço. Quando acabarmos todo e se o Roger e o Novak tiverem mais torneios do Grand Slam que eu isso não irá mudar a minha felicidade”, rematou.

Tiago Ferraz
Jornalista de formação, apaixonado por literatura, viagens e desporto sem resistir ao jogo e universo dos courts. Iniciou a sua carreira profissional na agência Lusa com uma profícua passagem pela A BolaTV, tendo finalmente alcançado a cadeira que o realiza e entusiasma como redator no Bola Amarela desde abril de 2019. Os sonhos começam quando se agarram as oportunidades.