Medvedev: «Se me deixarem jogar em Wimbledon vou ficar feliz, mesmo que seja sem pontos»

Por Nuno Chaves - Maio 26, 2022

Daniil Medvedev qualificou-se para a terceira ronda de Roland Garros após mais uma exibição segura e confirmou as boas sensações demonstradas na estreia. O russo passou, mais tarde, pela sala de conferências de imprensa para revelar o que sentia após mais uma exibição convincente.

ANÁLISE À VITÓRIA

Honestamente acho que joguei melhor na primeira ronda mas foi um bom encontro, foi especialmente um bom teste a nível físico. 2h35 minutos, três sets, muitos jogos longos, longas trocas de bolas. Não sei exatamente o que o Laslo tinha mas parecia com algumas dificuldades na terceira partida. Hoje estava a pensar que é bom estar melhor fisicamente que ele, já que não vai acontecer sempre. Estou feliz com a minha exibição, com o meu nível. Preciso de jogar melhor nas próximas rondas porque vai ficar cada vez mais complicado.

RELAÇÃO COM A TERRA BATIDA

Hoje foi um encontro típico de terra batida, houve muitos break points e sentia que até ao fim do encontro isto nunca estava fechado. Nos hard courts também não fica fechado mas quando temos 5-3, às vezes, não fazemos alguns movimentos malucos no jogo de resposta, ficas a preparar-te para o teu serviço. Na terra isto não funciona assim. Tens de lutar por todos os pontos, não importa o resultado. Não vou mentir, prefiro hard courts, posso jogar melhor. Mas quando estou num court de terra batida quero vencer. Isso é o mais importante. Não vou dizer que adoro mas procuro alcançar bons resultados.

POSSÍVEIS MUDANÇAS DE DECISÃO PARA WIMBLEDON

Não é uma pergunta fácil, de certa forma estou na mesma situação que vocês. Não sabia que o diretor de Wimbledon podia vir ao torneio amanhã, não sei que reuniões vão haver e o que vão decidir. O Djokovic de certo modo tem razão. Não estou no Conselho mas vejo que na estrutura do ténis o Conselho é o mais importante. Há oito ou 10 jogadores e devem comunicar com o resto sobre o que se passa. É uma situação complicada porque se vens e falas com os jogadores do Conselho, vão estar felizes em responder-te. Só que enquanto jogadores não temos muito tempo livre e eles também não têm todo o tempo do mundo para falar connosco.

ESPERANÇA EM JOGAR WIMBLEDON

O meu trabalho é jogar ténis, tentar conseguir o máximo de pontos possíveis aqui. Vou repetir: se me deixarem jogar em Wimbledon vou ficar feliz mesmo que seja sem pontos. Com pontos também ficarei feliz e vou tentar conseguir muitos. Se não conseguir jogar vou ficar em casa, vou treinar muito e tentar ser melhor nos meus próximos torneios. É tudo o que posso dizer agora.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.