Kyrgios e o título em Acapulco: «Deitei-me todos os dias às 4h30 da manhã. Diverti-me mais do que treinei»

Por Nuno Chaves - 16 Maio, 2019

A entrevista de Nick Kyrgios ao jornalista Ben Rothenberg é uma das mais bombásticas dos últimos tempos. O australiano falou (literalmente) de tudo e o seu título em Acapulco também foi tema de conversa.

O tenista de Camberra admitiu que ganhar foi… uma surpresa. “Fui sair à noite todos os dias em Acapulco e ganhei o torneio. Deitava-me todos os dias às 4h30 da manhã. Toda a gente saía à noite e eu também quis ir. Naquela semana diverti-me mais do que treinei e ganhei o torneio. Foi de loucos. Perguntei a mim mesmo: ‘como é que fiz isto?’

Kyrgios também falou sobre o facto de muitas vezes não dar o máximo de si próprio. “Não há qualquer hipótese de eu ser consistente e de jogar sempre da mesma forma que jogo às vezes. Eu não sou assim. Respeito muito os jogadores que são profissionais ao ponto de serem assim. Isso também é um talento e se eu tivesse esse talento talvez já tivesse um par de Grand Slams”, garantiu.

“Eu quero divertir-me. O mais complicado para mim é viajar, porque adoro estar em casa. Estar fora do meu país durante seis meses é algo muito complicado. O ténis tem-me levado para alguns lugares bem negros que nunca esperei visitar”, explicou.

Kyrgios também não pensa na possibilidade de jogar até tarde… e de conquistar um Grand Slam. “Não acredito na minha longevidade. O meu corpo não vai aguentar tantos anos. A minha melhor chance de ganhar um Grand Slam talvez tenha sido em Wimbledon 2015, quando defrontei o Raonic nos quartos-de-final quando ele ainda não era tão bom como depois se tornou”, reforçou o top 35 mundial.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.