Johanna Larsson despede-se do ténis: «Foi uma viagem fantástica»

Por Tiago Ferraz - Março 3, 2020
johanna-larsson

A sueca Johanna Larsson, de 31 anos, terminou a carreira esta temporada e, numa entrevista ao órgão de comunicação sueco Svenska Tennisforbundet a antiga número 45 do ranking mundial refletiu sobre a carreira:

«O ténis foi a minha vida desde os cinco anos, quando peguei numa raqueta pela primeira vez. Os meus pais tomaram a decisão de ficar ligado ao ténis  quando eu tinha cinco anos e o meu irmão tinha 13. Joguei alguns torneios júniores na Suécia, até que comecei a ser profissional aos 15 anos, em Bastad, e desde então tem sido uma viagem louca e fantástica. Estou muito agradecida por ter percorrido este caminho, guardo recordações maravilhosas. Joguei nos maiores estádios, conheci pessoas de outras culturas, aprendi muito sobre mim. É fantástico olhar para trás e ver tudo isto com apenas 31 anos», salientou, citada pelo Punto de Break.

A agora ex-tenista sueca abordou ainda o sentimento nos primeiros dias longe dos courts:

«Penso que vou precisar de algum tempo para que, realmente, possa aceitar (a saída do ténis). Talvez dentro e um ou dois meses consiga entender que já tudo terminou. Ainda assim por agora, é muito agradável ter uma manhã para dormir, sem ter nada planeado, especialmente, por não ter que estar pendente das contas para saber quando é a próxima viagem. Agora posso desfrutar das coisas boas da vida com a minha família e com os meus amigos», revelou.

Quanto ao futuro a tenista sueca foi inconclusiva:

«Não tenho planos claros para o futuro, mas penso que o ténis significará muito para mim, permanecerei ligada à modalidade de uma maneira ou de outra. Em que função…É difícil dizer. O que sei é que eu devo muito a esta modalidade, estou muito agradecida por todos estes anos . Gostava de poder ajudar outros tenistas mais jovens, estou aberta a isso e, nesse sentido, espero, ansiosamente, pelo próximo capítulo na minha vida», concluiu.

 

  • Categorias:
  • WTA
Tiago Ferraz
Jornalista de formação, apaixonado por literatura, viagens e desporto sem resistir ao jogo e universo dos courts. Iniciou a sua carreira profissional na agência Lusa com uma profícua passagem pela A BolaTV, tendo finalmente alcançado a cadeira que o realiza e entusiasma como redator no Bola Amarela desde abril de 2019. Os sonhos começam quando se agarram as oportunidades.