Do ídolo Nadal aos descontrolos de Djokovic: irmão de Nole abre o livro

Por Bola Amarela - Abril 9, 2021
djordje-novak-djokovic-thiem

Djordje Djokovic, que por estes dias assume as funções de diretor do ATP 250 de Belgrado, aparece pouco para dar entrevistas. No entanto, quando quis falar acabou por não fugir a nenhum tema mais quente e ainda aproveitou para confessar que o seu ídolo sempre foi… Rafael Nadal. Mas vamos por partes. Incontornável era falar sobre, por exemplo, a desqualificação do irmão Novak Djokovic no US Open.

“O Novak foi quebrado a 5-5 no primeiro set. Levanto-me para ir à casa de banho e ouço o comentador a dizer ‘oh não’. Voltei à televisão, vejo uma mulher no chão e o desespero do Novak. Estava a ver com um amigo e disse logo ‘isto está feito, ele vai ser desqualificado’. Era inevitável e não posso dizer que foi injusto, aquelas são as regras. Por outro lado, se ela não tivesse caído, ele não tinha sido desqualificado. Não sou imparcial, mas sinto que a reação foi exagerada”, confessou o sérvio de 25 anos.

Diga-se que Djordje não teve problemas em admitir que o descontrolo emocional acaba por ser a principal falha no ténis do irmão mais velho. Não dá para manter sempre as emoções controladas. Penso que Federer é o único que consegue fazer isso. Ele é tão calmo e mantém a compostura. Até Nadal tem algumas explosões emocionais às vezes. Na Sérvia somos assim, emocionais, e talvez isso seja o pior traço do Novak em court. Mas aquele incidente foi muito azar. Havia para aí 12 pessoas no estádio e ele conseguiu acertar numa. Sem desrespeito por ninguém, ele estava destinado a ganhar o título ali”, atirou.

Por outro lado, Djordje Djokovic revelou que Nadal era o seu ídolo no circuito ATP. Era de tal forma a referência que até se vestia como o tenista espanhol, já quando o irmão desenvolvia uma rivalidade com o maiorquino. E até houve um encontro especial entre ambos que envolveu… uma máquina de jogos.

“Tenho memórias muito boas de Nadal. Novak apresentou-me a ele em Monte Carlo em 2006. Um dia estava no lounge quando Nadal entrou na sala e ele era o meu ídolo. Usava camisolas sem mangas e calções longos por causa dele. Havia uma máquina de ‘pinball’ e ele perguntou-me se eu queria jogar. Jogámos e fiquei de coração cheio! Ganhei-lhe, então ele pontapeou a máquina, mas depois deu-me um abraço. Daí para a frente, falamos sempre que nos encontramos. Ele é muito boa pessoa”, revelou.

Bola Amarela