Ciclistas insurgem-se contra injeções de Nadal: «Se fosse no ciclismo já teria sido banido»

Por Pedro Gonçalo Pinto - Junho 8, 2022
nadal-rolandgarros

Rafael Nadal só foi capaz de competir em Roland Garros, como o próprio garantiu, porque recebeu injeções num nervo do pé esquerdo para adormecer as dores que a lesão crónica lhe traz. O espanhol diz que foi uma solução só mesmo para o Grand Slam francês, acabando por conquistar a prova, mas houve quem se insurgisse contra esta situação. É aqui que entra… o ciclismo.

Guillaume Martin, ciclista da Cofidis, criticou esta situação e o termo de comparação que é feito com a ‘sua’ modalidade. “O que Nadal fez seria impossível no ciclismo. Se estás doente ou lesionado, não competes. Isso faz todo o sentido por diversas razões. Primeiro pela saúde dos atletas. A longo prazo não pode ser benéfico para o Nadal. Além disso, a medicação, especialmente as injeções, não têm apenas o efeito de sarar, podem ter efeitos na performance, por isso está um pouco no limite”, disse ao L’Équipe.

Mas Martin considera mesmo que a situação seria mais preocupante do que isso se se tratasse de um ciclista. “Se isto fosse no ciclismo, o ciclista já teria sido banido. E mesmo que não acontecesse isso, todos viriam a público acusá-lo de ser dopado porque já há uma fama associada ao ciclismo. Enquanto isso, as pessoas aplaudem Nadal por jogar com dores. Passam por heróis porque se submetem à dor e, repito, para mim é muito no limite. O vencedor no ciclismo, especialmente no Tour, mesmo que não haja nada, é sistematicamente acusado de doping”, afirmou.

Thibaut Pinot, da Groupama-FDJ, comentou uma publicação com uma intervenção de Nadal, que disse que era melhor ninguém saber quantas injeções levou em Roland Garros. “Os heróis de hoje…”, partilhou.

Pedro Gonçalo Pinto
Comentador Sport TV e ligado ao Jornal Record. Ténis acima de tudo.