Djokovic faz mais do mesmo a Nadal e disputa com Raonic o título em Indian Wells

Uma, duas, três, quatro… sete. No total, são já sete o número de vitórias consecutivas que Novak Djokovic leva diante de Rafael Nadal, igualando o recorde conseguido entre 2011 e o início de 2012. O número um do mundo derrotou o espanhol em duas partidas para marcar presença em mais uma final de Indian Wells, na qual vai encontrar Milos Raonic, finalista de um Masters 1000 pela terceira vez na carreira.

Foi com os parciais de 7-6(5) e 6-2 que Novak Djokovic, campeão em título de Indian Wells, estendeu para 26-23, um número de confrontos recorde entre dois jogadores na era Open, a vantagem no confronto direto para Rafael Nadal. Foi até o maiorquino quem começou melhor e depressa conseguiu uma vantagem de 2-0 no marcador, mas o sérvio recuperou e salvou ainda um set point na primeira partida antes do tiebreak, dominado por si na maior parte do tempo.

Com o andamento do resultado, Nadal tinha de fazer aquilo que já não consegue fazer há quase dois anos: vencer Novak Djokovic depois de perder a primeira partida. Mas do outro lado estava o incontestável número um do mundo, que não defrontou qualquer break point no segundo set e roubou dois preciosos jogos a Nadal, inclusive quando o espanhol servia para manter a acesa a discussão do vencedor.

Depois de 2008, 2011, 2014 e e 2015, para além de um troféu de vice-campeão em 2007, Djokovic está uma vez mais à procura de sair invicto de Indian Wells uma vez mais, mas para isso terá de derrotar Milos Raonic, responsável pela eliminação de David Goffin, por 6-3, 3-6 e 6-3 ao cabo de duas horas.

“O Milos está provavelmente a jogar o melhor ténis da sua carreira até ao momento”; comentou Djokovic, “o seu serviço já era fenomenal, mas nesta temporada parece que melhorou ainda mais, especialmente no segundo serviço. Ele ataca e não te dá o mesmo olhar. Vou tentar preparar-me fisicamente e analisar o seu jogo com a minha equipa”.

Esta será a sexta vez que Novak Djokovic e Milos Raonic vão medir forças no circuito ATP, e a segunda vez numa final. O mais experiente de ambos acabou sempre por sair vitorioso e, no total de 14 sets disputados, perdeu apenas… dois. O início da final está marcado para as 20h em Portugal continental.

Sobre o autor
- Licenciado em Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa. Jornalista da GQ Portugal e colaborador do Bola Amarela desde novembro de 2011, pouco tempo depois de começar a seguir mais atentamente o mundo do ténis. Pretende nunca mais parar.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *