Trungelliti: «O ténis é como uma cidade de 3000 habitantes onde só 70 vivem bem»

Por José Morgado - Agosto 11, 2020
trungelliti

Marco Trungelliti, tenista argentino que saltou para as páginas dos jornais quando denunciou uma rede de apostas ilegais na Argentina, que acabou com a suspensão de vários dos seus colegas, voltou a lembrar esta segunda-feira que o ténis está longe de ser a modalidade mais justa do Mundo, destacando algumas das desigualdades que continua a existir.

“Recebi quatro mil euros de ajuda por parte do ATP Tour e claro que agradeço, mas não é normal que um tenista que seja 130 e tal do Mundo não sobreviva a alguns meses sem competir e ganhar dinheiro numa modalidade que tem tantos milionários”, disse em declarações ao jornal suíço ‘Le Temps’, onde fez ainda algumas críticas à organização do circuito. “O ATP é uma entidade opaca que comunica muito pouco”.

O argentino utilizou ainda uma metáfora curiosa para resumir aquilo que pensa sobre o ténis. “Há pouca gente a tomar decisões importantes que afetam muitos jogadores. O sistema é mau por si mesmo. Digo sempre que é como uma cidade de 3000 habitantes em que só 70 é que vivem bem. O ténis oferece 200 euros a um jogador ao final de uma semana de trabalho. Na mesma competição, a máfia das apostas chega a oferecer 3000 ou 5000 euros.”

José Morgado
Jornalista do Jornal Record e Comentador Sport TV. Ténis 24/7.