Ténis: 4 Possíveis lesões e como tratá-las

Por Bola Amarela - 6 Fevereiro, 2019

Os tenistas estão sujeitos a vários problemas de saúde

 

 

 

rafael nadal fans GIF

O ténis faz parte do leque de atividades desportivas que necessita bastante de coordenação e agilidade. Deste modo, a forma como o tenista movimenta o corpo no court é bastante importante, assim como a sua condição física. Esta é uma modalidade fisicamente exigente e exige várias repetições de movimentos que, a longo prazo, provocam e intensificam as lesões.

O passo mais importante para evitar lesões e respetivas consequências é a prevenção através do aquecimento, da correta realização dos movimentos, alongamentos e descanso.

Caso surja uma lesão associada ao ténis, o ideal é procurar um médico especialista na área para um correto diagnóstico e tratamento, de modo a aliviar os sintomas, evitar complicações e recorrências.

Mais recentemente, Andy Murray anunciou o fim da sua carreira devido a uma lesão no quadril e, por este motivo, achamos pertinente dar a conhecer quatro lesões a que os tenistas estão muito sujeitos e como tratá-las devidamente.

 

 

 

Lesões no ombro por sobrecarga

 

Resultado de imagem para lesao ombro por sobrecarga tenis

Resultado de imagem para lesao ombro por sobrecarga tenis

O Ténis apresenta necessidades físicas muito específicas, sendo frequente uma alta exigência da articulação do ombro, não sendo raros os casos graves de lesões por sobrecarga no ombro em tenistas bem conhecidos do público.

 

 

Tratamento

 

 

Tratamento conservador:

– Anti-inflamatórios;

– Reabilitação com fisioterapia;

– Após a lesão, fazer manutenção adequada (alongamentos e equilíbrio muscular).

 

 

 

Epicondilite Lateral – Cotovelo de Tenista

 

Resultado de imagem para epicondilite lateral ténis

Resultado de imagem para cotovelo de tenista

 

A Epicondilite Lateral ou, Cotovelo de Tenista, como é conhecida esta lesão, resulta de uma degeneração dos tendões extensores dos músculos do antebraço devido a uma sobrecarga excessiva e localiza-se na parte lateral do cotovelo. São os movimentos sucessivos de pronação e supinação com o braço em extensão que provocam esta lesão.

 

 

Tratamento:

 

 

Tratamento conservador:

– Atenuar ou modificar as atividades que causam a lesão;

– Recorrer a anti-inflamatórios;

– Utilizar uma ortótese de proteção;

– Fazer fisioterapia;

– Excecionalmente poderá ser considerado um tratamento cirúrgico, quando o tratamento conservador não tem sucesso.

 

 

 

 

Lombalgia

 

Resultado de imagem para lombalgia ténis

Imagem relacionada

 

A força colocada nas rotações e nas flexões do tronco aquando da prática de ténis podem levar ao desenvolvimento de uma lombalgia por parte do tenista.

Numa fase inicial, a lombalgia começa por ser a “famosa” dor na parte inferior das costas, mas, depois, agrava-se irradiando para glúteos, coxas e joelhos.

 

Tratamento:

 

 

Tratamento conservador:

-Atenuar ou modificar as atividades que causam a lesão;

– Anti-inflamatórios ou relaxantes musculares;

– Fazer fisioterapia e hidroterapia;

– Tratamento cirúrgico, apenas em situações excecionais.

 

 

Fraturas causadas por stress

 

Resultado de imagem para fraturas causadas por stress

 

 

 

A maior parte das fraturas causadas por stress ocorrem nos membros inferiores e, muito raramente, nos superiores. Este tipo de lesão é cada vez mais comum nesta modalidade, especialmente entre as mulheres.

Quando um atleta treina, existe sempre uma maior probabilidade de destruição tecidual que, logo de seguida, durante o período regenerativo, é compensada pela produção de matriz extracelular. Noutras palavras, durante o repouso, o organismo reconstitui tecidos, tendões, músculos e ossos, para estes se tornarem mais fortes, preparando-os cada vez mais.

O problema é quando, por excesso de exercício e falta de tempo compensatório de descanso, o ciclo de reconstrução torna-se insuficiente para superar a destruição, surgindo desta forma, as lesões causadas pelo stress.

 

 

Tratamento:

 

 

Tratamento conservador:

– Repouso imediato!

– Gelo e elevação do membro inferior para reduzir o edema;

– Se necessário, usar uma tala ortopédica com o objetivo de fixar o pé, permitindo otimizar a cicatrização;

– Apenas se necessário, recorrer a canadianas para auxiliar na recuperação;

– Anti-inflamatórios ajudam a aliviar a sintomatologia, mas podem retardar a cicatrização óssea;

– Para prevenir: utilizar calçado adequado, para diminuir a pressão sobre o membro inferior;

– A atividade desportiva deve ser retomada gradualmente após aprovação médica.