Sem descanso: Federer vai viajar praticamente 100 mil km (!) nos próximos cinco meses

Por Nuno Chaves - Outubro 14, 2019
federer-xangai
Foto: Rolex Shanghai Masters

Já não é novidade que Roger Federer quer aproveitar os últimos anos da carreira para conhecer locais em que ainda não esteve – o próprio disse isso para justificar, por exemplo, a sua não ida à Taça Davis.

Mas parece que o suíço está a levar isso muito a sério. É que, de acordo com um estudo feito pelo Tages Anzeiger, o helvético, de 38 anos, vai percorrer praticamente… 100 mil quilómetros entre outubro e fevereiro de 2020.

Vão ser percorridos entre seis países, sendo que tudo começou da viagem de casa para Xangai:

Zurique – Xangai = 9024 km

Xangai – Tóquio (jogo de exibição com Isner) = 1765 km (10789 km)

Tóquio – Zurique (vai descansar uns dias e depois segue para jogar o ATP 500 de Basileia) = 9597 km (20386 km)

Basileia – Londres (vai jogar as ATP Finals, mas pode haver uma viagem antes, caso decida competir no ATP 1000 de Paris) = 778 km (21164 km)

Terminada a temporada, Federer vai começar a jogar os diversos encontros de exibição na América do Sul.

Londres – Santiago de Chile (encontro de exibição com Zverev) = 11690 km (32 854 km)

Santiago de Chile – Buenos Aires (encontro de exibição com Del Potro) = 1138 km (33992 km)

Buenos Aires – Bogotá (encontro de exibição com Zverev) = 4665 km (38657 km)

Bogotá – Cidade do México (encontro de exibição com Zverev) = 3182 km (41839 km)

México – Quito (encontro de exibição com Zverev) = 729 km (42568 km)

Concluído o duelo na capital do Equador, Federer vai ter duas semanas de férias, mas o jornal que realizou esta operação assume que o suíço viaja de imediato para o Dubai, local onde inicia a 11 de dezembro a pré-temporada (é possível que Federer escolha outro local para descansar uns dias com a família antes de viajar para o Dubai):

Quito – Dubai = 16900 km (59468 km)

Depois de realizada a pré-temporada, Federer realiza mais um encontro de exibição com Zverev – assinou até 2023 com a organização do torneio chinês.

Dubai – Hangzhou = 6321 km (65789 km)

Federer, depois deste duelo com o alemão, segue para a Austrália para dar início ao início da época de 2020:

Hangzhou – Sydney (ATP Cup) = 7837 km (73626 km)

Sydney – Melbourne (Open da Austrália) = 714 km (74340 km)

Após a conclusão do primeiro Grand Slam da temporada, Federer vai jogar novo encontro de exibição… com Rafa Nadal na… África do Sul.

Melbourne – Cidade do Cabo = 12766 km (87106 km)

Cidade do Cabo – Suíça = 9106 km (96212 km)

Ora, tendo em conta que a circunferência da Terra tem, aproximadamente, 40 mil quilómetros podemos afirmar que Federer vai percorrer mais de duas voltas ao mundo nos próximos cinco meses.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.