Radwanska ataca organização: «Isto não é um torneio de 10 mil, é um Grand Slam»

Por admin - 31 Maio, 2016

“Não percebo como é que nos deixam jogar nestas condições». Foi com cara de poucos amigos e determinada em não poupar críticas à organização que Agnieszka Radwanska entrou na sala de imprensa de Roland Garros após ter sido eliminada por Tsvetana Pironkova, num embate regado com muita chuva.

“Estou muito surpreendida e zangada por termos de jogar debaixo de chuva”, começou por dizer a polaca de 27 anos. “Isto não é um torneio de 10 mil [dólares]. É um Grand Slam. Como é que podem deixar os jogadores jogar com chuva? Eu não consigo jogar nestas condições”.

A número dois mundial entrou esta terça-feira em court com uma vantagem de 6-2 e 3-0, conseguida na jornada de domingo, já que ontem ninguém entrou em campo em Paris devido à chuva, mas não se conseguiu adaptar às condições difíceis encontradas no Court Suzanne Lenglen, deixando fugir o triunfo por 6-3, 3-6 e 3-6 nos oitavos-de-final.

O duelo ainda foi suspenso, numa altura em que a chuva caiu com mais intensidade, mas as jogadoras voltaram ao court para terminar o encontro. Com o piso algo escorregadio, Radwanska tentou explicar o seu ponto de vista ao árbitro, mas sem resultado. “De manhã, ainda no segundo set, jogámos debaixo de muita chuva. Não consigo perceber como é que permitem que joguemos neste tipo de condições”.

“Não tenho a certeza se eles [a organização] se importam realmente com isso. Acho que se importam com outras coisas. Por isso, estou irritada. Não consigo jogar neste tipo de condições. Não estou suficientemente bem [para o fazer]”.

halep

Ao desagrado de Radwanska junta-se o de Simona Halep, que considera que o torneio colocou a segurança dos jogadores em causa. A romena disse estar zangada não por ter perdido para Samantha Stosur (6-7(0) e 3-6), mas antes porque a derrota aconteceu em circunstâncias anormais.“Na minha opinião, era impossível jogar assim. Jogar à chuva… acho que é demais. Ninguém se importa com os jogadores”, disparou.

“Não me importo se perdi o encontro, mas não me lesionei nas costas por pouco, isso seria um grande problema. Mas como eu disse, ninguém se importa. Temos de continuar e jogar”,  concluiu Halep, finalista em Paris em 2014.