Murray: «Não é legítimo fazer pensar que estamos lesionados»

Andy Murray admitiu ter-se sentido distraído com a quebra de rendimento físico de Novak Djokovic no início do terceiro set da final do Australian Open, ganho pelo sérvio em quatro sets, este domingo.

“Senti-me distraído quando ele caiu no chão após dois pontos. Parecia que estava com cãibras e depois de um momento para o outro começar de novo a correr, a escorregar e a chegar a todas as bolas. Não creio que tivesse qualquer problema. Não acho que seja legítimo fazer crer ao adversário que estamos lesionados e depois começar a voar no court, mas eu não faço ideia qual foi o problema pelo qual ele passou”, confessou Murray em conferência de imprensa.

O britânico de 27 anos culpou-se a si próprio pelo facto de se ter deixado afetar pelo incidente e elogiou a qualidade de jogo de Novak Djokovic, que atingiu em Melbourne um inédito pentacampeonato na Era Open.

“Percebi que o que ele tinha não era nada de especial quando ele começou a correr e a bater na bola de forma impressionante. Se fossem cãibras jamais o faria. Mas sinto-me culpado por me ter deixado afetar. É uma lição para mim. Perder com alguém que já ganhou aqui 5 vezes não é vergonha nenhuma”, rematou.