Federer recorda momento mais difícil da carreira: «Não conseguia acreditar no que estava a acontecer»

Por Nuno Chaves - Abril 2, 2019

Roger Federer, aos 37 anos, continua a mostrar uma forma invejável e a provar o porquê de ser considerado, por muitos, o melhor jogador de todos os tempos. O suíço desde que regressou em 2017 após a sua longa ausência de seis meses do circuito devido a lesão tem estado em grande mas durante esse período de recuperação as coisas nem sempre foram fáceis.

Numa conversa com o ATP, Federer recordou aquele que foi, segundo o próprio, o momento mais difícil da carreira. “Tudo começou bem. Fiz meias-finais no Australian Open [Em 2016], perdi para o Novak mas senti dores no joelho. Pensava que não era nada de grave. Voltei à Suíça, fiz uma ressonância magnética e vi que tinha partido o menisco. Era a minha primeira cirurgia como jogador e não conseguia acreditar no que estava a acontecer com aquela idade”, confessou o atual número quatro mundial.

Federer reforçou as dificuldades por que passou. “Foi muito complicado a nível emocional, sobretudo depois da cirurgia, ao ver o meu pé e pensar que talvez o meu joelho e a minha perna não iam voltar a ser os mesmos mas rapidamente disse a mim mesmo que tinha trabalhar depois de sair do hospital”.

Ainda assim, as coisas não melhoraram. “Por alguma razão, o meu joelho não estava a 100% na temporada de terra batida e depois acrescentaram-se dores na zona das costas. Com o joelho e as costas assim decidi não jogar Roland Garros, não ia ganhar nenhum jogo nessas condições”, garantiu.

“Voltei em Estugarda, Halle e Wimbledon mas o meu corpo precisava de descanso e todas as pessoas à minha volta estavam de acordo. Foi aí que decidi terminar a temporada”, explicou Federer.

O suíço realçou a importância desse momento para o futuro. “Essa decisão permitiu-me fazer uma grande pré-temporada, focar-me no meu jogo e em 2017 voltei mais forte do que alguma vez pensei. Achava que para voltar ao meu melhor nível ia precisar de metade da temporada, mas tudo se converteu num conto de fadas, ao ganhar ao Rafa na final do Open da Austrália, com 3-1 abaixo no quinto set e recuperar a final. Seguramente, um dos momentos mais especiais de toda a minha carreira”, concluiu.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.