Djokovic sobrevive no US Open após virar duelo de 0-2 em sets pela 8.ª vez na vida

Por José Morgado - Setembro 2, 2023

Novak Djokovic voltou a mostrar esta sexta-feira ao final da noite, pela enésima vez, que nunca se pode deixar de contar com ele, em nenhum momento nem situação, diante de qualquer adversário e muito menos… em torneios do Grand Slam. O sérvio, que voltará a ser número 1 ATP no dia 11 de setembro, qualificou-se para os oitavos-de-final do US Open de maneira épica, virando de uma desvantagem de dois sets a zero pela oitava vez na sua carreira e num duelo que terminou pela madrugada dentro em Nova Iorque.

Na cidade que nunca dorme, Djokovic virou para bater o número dois sérvio Laslo Djere, 38.º do ranking mundial e que fez uma exibição sensacional, por 4-6, 4-6, 6-1, 6-1 e 6-3, num encontro de quase quatro horas que terminou depois da uma e meia da manhã em Nova Iorque. Depois de não conseguir contrariar um Djere que foi perfeito nos dois primeiro sets, Djokovic subiu consideravelmente o nível, deixou praticamente de falhar e acabou por dar a volta de forma categórica a um encontro em que chegou a estar em enormes dificuldades. Não virava um encontro de dois sets abaixo desde Wimbledon 2022 (Jannik Sinner).

Nos oitavos-de-final, Djokovic vai defrontar o croata Borna Gojo, número 105 do Mundo e vindo da fase de qualificação. Gojo tem sido uma das grandes surpresas do torneio.

Apaixonei-me pelo ténis na épica final de Roland Garros 2001 entre Jennifer Capriati e a Kim Clijsters e nunca mais larguei uma modalidade que sempre me pareceu muito especial. O amor pelo jornalismo e pelo ténis foram crescendo lado a lado. Entrei para o Bola Amarela em 2008, ainda antes de ir para a faculdade, e o site nunca mais saiu da minha vida. Trabalhei no Record e desde 2018 pode também ouvir-me a comentar tudo sobre a bolinha amarela na Sport TV. Já tive a honra de fazer a cobertura 'in loco' de três dos quatro Grand Slams (só me falta a Austrália!), do ATP Masters 1000 de Madrid, das Davis Cup Finals, muitas eliminatórias portuguesas na competição e, claro, de 13 (!) edições do Estoril Open. Estou a ficar velho... Email: josemorgado@bolamarela.pt