Djokovic incrédulo e radiante com o número 1: «Nunca pensei que fosse possível. Foram cinco meses perfeitos»

Em Londres para jogar o ATP Finals, Novak Djokovic falou à imprensa sobre aquilo que foi uma segunda metade do ano praticamente imaculada. O sérvio de 31 anos está não só de regresso à liderança do ranking mundial ATP, como garantiu essa privilegiada posição na viragem do ano, pelo quinta vez na sua carreira.

“Estou muito orgulhoso dessa conquista, é ainda mais especial este ano por causa do percurso que tive”, disse Djokovic aos jornalistas presentes na O2 Arena. “Parecia bastante improvável acabar nesta posição. Nunca pensei que fosse possível. Foram cinco meses perfeito”, acrescentou o número um mundial, que esta sexta-feira arrecadou o prémio de “Regresso do Ano”, votado pelos jogadores e atribuído pelo ATP.

Relembre-se que Djokovic ficou arredado da competição depois de Wimbledon do ano passado, em junho, por culpa de uma lesão no cotovelo que o obrigou a uma cirurgia. Regressou no início deste ano a denotar natural falta de ritmo e de confiança, tendo descido para a 22.ª posição do ranking, a mais baixa em quase 12 anos, mas os triunfos não demoraram a aparecer. Conquistou Wimbledon, o Masters 1000 de Cincinnati, que lhe valeu o Career Golden Masters, seguiu-se o US Open e o Masters 1000 de Xangai.