Bautista-Agut: «Nunca mais me vou esquecer de como foi o ano de 2019»

Por Tiago Ferraz - Dezembro 30, 2019
bautista-agut
Foto: Kosmos Tennis

Roberto Bautista Agut teve um ano positivo a nível desportivo, no qual terminou dentro do top 10, mas nem tudo correu bem. O tenista espanhol teve momentos difíceis, em especial no final deste ano, durante a Taça Davis, quando ‘perdeu’ o seu pai, e ‘abriu o coração’ ao diário espanhol AS.

«No geral e, no que diz respeito ao ténis, 2019 foi um bom ano, completo onde imperou a regularidade, onde consegui resultados magníficos e o meu melhor ranking de carreira. Além disso, terminar o ano a vencer o título de campeão da Taça Davis fez com que fosse melhor ainda. Não me vou esquecer de como foi o ano de 2019», disse.

Bautista-Agut falou também do comportamento da seleção espanhola depois do falecimento do seu pai:

«Portaram-se todos muito bem comigo. Uma das razões pelas quais eu regressei (à Taça Davis após o falecimento do pai) foi o apoio que recebi por parte de todo o grupo. Desde tenistas, ao staff. O Rafa (Nadal) é fantástico e, graças a ele, conseguimos vencer eliminatórias muito complicadas. Jogou, em muitas ocasiões, cansado e dormiu muito pouco depois de terminar os encontros já a altas horas da madrugada. Tudo isso contribuiu e ajudou para que eu voltasse para ajudar a equipa na grande final», disse.

O espanhol fez ainda a antevisão ao seu ano de 2020 e diz que quer «desfrutar» do ténis:

«Estou otimista para 2020, vou tentar manter o nível que apresentei durante este ano. O calendário está muito sobrecarregado devido aos Jogos Olímpicos. Há muitos tenistas complicados e há muitos jovens que está a evoluir e a subir no ranking. Apesar de tudo isto, vamos continuar a trabalhar como fizemos nestes últimos anos para dar uma boa imagem em cada torneio. (Queremos) acabar o ano da melhor forma possível, a desfrutar desta modalidade».

Tiago Ferraz
Jornalista de formação, apaixonado por literatura, viagens e desporto sem resistir ao jogo e universo dos courts. Iniciou a sua carreira profissional na agência Lusa com uma profícua passagem pela A BolaTV, tendo finalmente alcançado a cadeira que o realiza e entusiasma como redator no Bola Amarela desde abril de 2019. Os sonhos começam quando se agarram as oportunidades.