Andy Murray: o defensor das mulheres no desporto

Por admin - 19 Maio, 2015

A relação de Andy Murray com Amelie Mauresmo parece estar num dos melhores momentos. O jogador britânico venceu os seus primeiros títulos em terra-batida e com uma vitória diante de Rafael Nadal pelo meio, atribuindo grande parte do mérito à sua técnica, que tinha até levantado algumas dúvidas no início da parceria.

“Sou a favor de toda a gente ser tratada de forma igual. Se isso é ser feminista, então sim, é isso”. Foi assim que Andy Murray se dirigiu à Red Bulletin em relação à presença de uma mulher na sua equipa técnica, algo pouco vulgar entre os jogadores do topo no ténis masculino.

“Abri realmente os olhos quando comecei a trabalhar com a Amelie. A falta de igualmente foi algo que que comecei a entender e a tornar-me realmente apaixonado por isso. Abriu-me os olhos”, confessou o recente campeão do torneio de Madrid, que não disputou o evento de Roma devido à sua condição física.

Amelie Mauresmo celebra com Andy Murray o título de Madrid

Amelie Mauresmo celebra com Andy Murray o título de Madrid

Contratada pelo número três do mundo em junho do ano passado, Mauresmo acabou por ser uma bela surpresa para Andy Murray, que ganhou uma nova visão sobre o papel das mulheres no mundo desportivo:

“Acabei por me tornar um maior apreciador de mais mulheres no desporto, dar mais oportunidades às mulheres. Quando era mais jovem, não pensava em coisas dessas. Mas agora, que vi com os meus próprios olhos, é incrível quantas treinadores existem em qualquer desporto”

Mais do que uma questão de igualdade, uma vantagem

Num desporto onde a integridade mental é tão ou mais importante do que uma boa forma física, Andy Murray aprendeu que ter uma mulher como treinadora acabou ser até uma vantagem quando passava por uma fase menos boa em termos anímicos:

“Não é confortável um ambiente com cinco ou seis homens. É difícil expressar-me por vezes porque te sentes julgado, já que isso pode ser visto como um sinal de fraqueza. É muito mais fácil falar com a Amélie quando não me sinto confiante”

“Não sei bem porquê, mas desde jovem que era mais fácil para mim falar sobre como me sentia com a mulher mais próxima de mim – a minha mãe, a minha esposa“, continuou o jogador de 28 anos. Antes de Mauresmo, Murray contava com Ivan Lendl na sua equipa técnica, tendo contratado recentemente Thomas Johansson. Mauresmo aguarda o nascimento do seu primeiro filho, agendado para agosto deste ano.

Ele sempre foi um fã do ténis feminino

O campeão de dois títulos do Grand Slam sempre utilizou as redes sociais como poucos. Vários são os Q&A’s que realiza, onde se submete a várias perguntas dos fãs no Twitter, e não tem receio em expressar as sua opinião sobre aquilo que vê ou ouve no dia-a-dia.

Entre as mensagens com 140 carateres encontram-se várias relativas à sua posição “feminista” e ao interesse pelo circuito feminino: