João Sousa: «Beijar o chão? Foi o que me saiu e saiu do coração»

Conquistado o passe para a final do Millennium Estoril Open, num duelo em três sets com Stefanos Tsitsipas, João Sousa baixou-se e beijou a terra do Estádio Millennium.

Foi promessa? “Não. Não sei bem mas… penso que foi um gesto bonito, pelo menos para mim. Foi o que me saiu e saiu do coração. Sempre foi um desejo estar numa final aqui em Portugal e ter conseguido é algo muito especial para mim, toda a minha equipa e família”, confidenciou, mostrando-se confiante para a final de amanhã.

“Vamos encarar como encaramos todas as finais e continuar a pensar em vencer. Tenho vindo a melhorar a cada encontro e porque não jogar ainda melhor amanhã do que joguei hoje? É o ano em que me sinto melhor preparado, estou confiante, tranquilo e tenho mais experiência”, destacou, ainda sem saber quem seria o adversário.

“São dois excelentes jogadores [Frances Tiafoe e Pablo Carreño Busta] mas preferia o Carreño na final. É um jogador que admiro muito e é um amigo. Damo-nos muito bem e estamos muitas vezes na brincadeira. Seria uma final especial para mim e para ele, que se sente muito bem em Portugal e é sempre muito bem tratado pelo público.”

 

Sobre o autor
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *