Zheng: «No início do ano não tinha os pés no chão»

Por José Morgado - Outubro 18, 2023

Zheng Qinwen brilhou no último fim-de-semana ao conquistar o título mais importante da sua carreira no WTA 500 de Zhengzhou, na China, confirmando perante o seu público a boa forma que já a tinha conduzido à medalha de ouro nos Jogos Asiáticos, uma semana e meia antes. A tenista chinesa, que ficou sem treinador depois do US Open — Wim Fissette ‘trocou-a’ por Naomi Osaka –, abriu o coração sobre vários temas em entrevista após o sucesso em Zhengzhou.

EVOLUÇÃO EM 2023

Olhando para trás, penso que não joguei tão bem na primeira metade do ano, onde não consegui corresponder às minhas expectativas. Depois desses meses refleti e as coisas melhoraram. Acalmei-me e tornei-me menos impetuosa. Devemos ter objetivos, mas sem obsessões. Há que focar no trabalho diário e no início da temporada foquei-me demasiado em resultados e não tinha os pés assentes no chão. Não jogava o ténis que queria. Depois encontrei equilíbrio e percebi que tenho de dar o melhor de mim todos os dias, centrar-me no presente.

JOGOS ASIÁTOCOS MUDARAM TUDO

Para mim, o melhor momento da minha temporada é o ouro nos Jogos Asiáticos. É simples: ali lutava pelo meu país e procurava a glória. Depois venci em Zhengzhou e isso deixou-me muito feliz.

MOMENTO KARAOKE APÓS O TÍTULO

Cantar em frente a uma multidão foi especial. Como estar num concerto. Provavelmente vou começar a ir a karaokes com a minha equipa a partir de agora.

  • Categorias:
  • WTA
Apaixonei-me pelo ténis na épica final de Roland Garros 2001 entre Jennifer Capriati e a Kim Clijsters e nunca mais larguei uma modalidade que sempre me pareceu muito especial. O amor pelo jornalismo e pelo ténis foram crescendo lado a lado. Entrei para o Bola Amarela em 2008, ainda antes de ir para a faculdade, e o site nunca mais saiu da minha vida. Trabalhei no Record e desde 2018 pode também ouvir-me a comentar tudo sobre a bolinha amarela na Sport TV. Já tive a honra de fazer a cobertura 'in loco' de três dos quatro Grand Slams (só me falta a Austrália!), do ATP Masters 1000 de Madrid, das Davis Cup Finals, muitas eliminatórias portuguesas na competição e, claro, de 13 (!) edições do Estoril Open. Estou a ficar velho... Email: josemorgado@bolamarela.pt