Massú fala da lesão de Thiem e garante: «Próximos cinco anos podem ser os melhores da sua carreira»

Por Nuno Chaves - Julho 27, 2021

Dominic Thiem continua afastado do circuito mundial devido a uma lesão no pulso direito e, o seu regresso, ainda não é conhecido, apesar do grande objetivo do austríaco seja o US Open.

Nicolas Massú, treinador do número quatro mundial, fez um ponto de situação da recuperação do seu pupilo. “Está a avançar, estamos todos os dias em contacto e também com os médicos. Teve pouca sorte, estava a jogar bem em Maiorca, motivado, estava feliz em court mas são coisas que não esperas. Agora tem de ir com muita calma, respeitar os prazos, o pulso é uma zona que tem de estar perfeito para voltar à competição, seja quando for. Que o faça a 100% e sem risco de se tornar algo crónico. Ainda faltam algumas semanas para saber quando é que pode voltar”, explicou em entrevista ao site Punto de Break.

E como é que o chileno lida com o facto de Thiem estar, igualmente, a atravessar dificuldades a nível mental? “Todos os desportistas passam por momentos assim, sejam períodos mais curtos ou longos, seja a uma idade mais jovem ou velha. Há meses lembro-me que o mundo pensava que ele ia ser o próximo número um. Antes de ganhar o US Open a pergunta era quando é que ia ganhar o seu primeiro Grand Slam. O desporto é assim”, afirmou.

“Os desportistas têm de se adaptar a estas pressões, que são normais, sobretudo a este nível. Os momentos bons devem ser levados com tranquilidade, com a mesma tranquilidade que os maus. Essa é a chave, aceitar os processos. Sei aquilo que ele trabalha, sei a boa pessoa que é e sei que o que ganhou é porque merece, por isso, estou seguro de que ainda estão grandes coisas para serem vividas. Quando está bem pode ganhar a qualquer um, ainda é jovem mas já tem muita experiência. Acredito que os próximos cinco ou seis anos podem ser os melhores. Dos momentos difíceis é onde uma pessoa fica mais forte”, concluiu.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.