Fucsovics recorda as dificuldades de treinar na Hungria e de se impor no circuito mundial

Por Nuno Chaves - Dezembro 8, 2019

Marton Fucsovics era apontado como uma das grandes esperanças do circuito quando em 2010 conquistou Wimbledon, em juniores, mas a sua afirmação ao mais alto nível demorou algum tempo e foi só em 2018 que venceu o seu primeiro título ATP.

Em entrevista à Tennis Head, o húngaro recordou o seu período de chegada ao circuito mundial. “Senti muita pressão quando passei da categoria júnior para a ATP. Todos esperavam que depois de ganhar Wimbledon em 2010 estivesse nos 100 primeiros em um ou dois anos, mas não foi nada assim”, confessou o tenista de 27 anos.

“Consegui após oito anos no circuito, uma prova do quão complicado é fazer bem entre os melhores do mundo. Foi muito complicado dar o salto. Joguei torneios Challengers durante muitíssimas semanas, com o objetivo de escalar posições no ranking”, explicou.

Fucsovics também falou nas particularidades de ter nascido na Hungria. “95% dos courts são de terra batida. Há muito poucos courts hard courts e quase nenhum em relva, por isso, para tem de se ir para fora de casa. Além disso, ali não há clubes ou treinadores. Tens que pagar para jogar mas não tens de te juntar a nenhum clube. Simplesmente pagas para jogar uma hora. Sem dúvida que é muito complicado, mas se queres fazer algo na vida tens de te esforçar”, concluiu.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.