‘Hawk Eye’. Wimbledon. Isner vs. Anderson (sugestão de aposta)

Vocês pediram, nós ouvimos! Esta coluna é para aqueles que gostam de por a “moedinha” ou querem ter mais adrenalina a ver um jogo de ténis. De janeiro a novembro, iremos publicar sugestões de apostas a realizar em jogos de ténis, acompanhadas de breves análises. Joguem apenas se forem maiores de idade, com responsabilidade, dado que o vosso capital está em risco e podem perdê-lo.

O Afonso escreve ocasionalmente no Bola Amarela há mais de um ano, fez a sua primeira aposta na mítica final de Wimbledon de 2008 entre Roger Federer e Rafael Nadal e é o fundador do site Betmarkets.io. Em 2017, terminou no top50 da fantasy de ténis, que contou com cerca de 25.000 participantes. Se há quem jogue 200 horas de FIFA por ano há mais de 5 anos, o Afonso vê 200 horas de ténis por ano há mais de 5 anos.

(13h PT, 10h BR) Wimbledon, Meias Finais – Kevin Anderson vs John Isner

Uma primeira meia final de todo inesperada, tendo em conta que nesta metade do quadro residia o primeiro cabeça-de-série e favoritíssimo à conquista do torneio, Roger Federer. Kevin Anderson impôs-se perante o suíço em 5 partidas, salvando um match point no 3º set, atingindo as suas segundas meias finais de torneios do Grand Slam, depois de alcançar a final do US Open no ano passado, onde apenas perdeu para Rafael Nadal. Por seu lado, John Isner está nas suas primeiras meias finais de torneios do Grand Slam, tendo apenas alcançado os quartos de final duma destas provas em 2011, no US Open.

Este jogo tem de tudo para ser um jogo chato, na medida em que haverá poucas trocas de bola e os jogos de serviço deverão ser ganhos de forma fácil e rápida por qualquer um dos dois tenistas. Sem grande surpresa, as pancadas chave neste encontro serão o serviço e a respetiva resposta ao serviço. Aqui, para aqueles que gostam de estatística, é de destacar um ponto que talvez tenha feito a diferença na vitória de Kevin Anderson sobre Roger Federer: o sul africano ganhou 21% dos pontos em que o suíço meteu a primeira bola de serviço em jogo, tendo em conta que nas primeiras 4 rondas de Wimbledon, Roger Federer havia vencido sempre 90% ou mais dos pontos com o seu primeiro serviço.

As épocas de John Isner costumam ser bem mais produtivas na segunda metade do ano, quando a maioria dos torneios é realizada em solo norte americano, sendo que em 2018, para além dum torneio excecional em Miami onde venceu o seu primeiro torneio Masters 1000, a temporada não tem sido nada de extraordinário. Em 2017, perdeu as 3 meias finais que disputou em eventos Masters 1000.

Os dois irão subir no ranking assim que esta edição de Wimbledon termine para as suas posições mais altas de sempre, sendo que Kevin Anderson poderá mesmo entrar no top4 e ficar a escassos pontos de subir ao 3º posto. O tenista sul africano joga bastante bem em relva, ao contrário de John Isner, que tendo um serviço que lhe dá dezenas de pontos por encontro, nunca foi além duma 3ª ronda em Wimbledon (no ano passado perdeu na 2ª ronda com Dudi Sela).

É sempre difícil acreditar que um tenista vai ter os pés bem assentes na terra (ou na relva) depois de vencer Roger Federer, mas Kevin Anderson é talvez daqueles que mais garantias oferece nesse campo, dada a sua estabilidade mental e garra mostrada nos últimos tempos. Sendo assim, com ambos os serviços a ser eficazes, há uma ligeira vantagem no capítulo da resposta e no fundo do court para o sul africano, pelo que se espera um John Isner com mais dificuldades em fazer quebras de serviço. Se nos tiebreaks o 1º serviço do norte americano não aparecer consistentemente (e mesmo assim será necessário fazer pelo menos um mini break), será difícil Kevin Anderson não levar a melhor neste jogo.

Aposta: Kevin Anderson para vencer a 2.01 (1xBet), 2.00 (Betfair)