Wawrinka e o Grand Slam de carreira: «É algo incrível, mas não vivo a pensar nisso»

Pode até chegar a Wimbledon sem saber o que é vencer em relva, esta temporada, mas, quando se trata de Grand Slams, Stan Wawrinka tem a capacidade de elevar o nível como poucos. E o que começou mal pode acabar da melhor maneira possível: o suíço tem a oportunidade de conquistar no All England Club o Grand Slam de carreira.

“É incrível, os jogadores que o fizeram são incríveis, mas não vivo a pensar nisso”, garantiu o número três mundial, que seria apenas o nono jogador da história a conseguir triunfar nos quatro principais torneios. “Acho que joguei alguns bons encontros aqui. A segunda vez que joguei aqui derrotei o [Ivo] Karlovic num court secundário, por 11-9 no quinto set. Na altura, foi um resultado incrível”, relembra.

“A melhor sensação de todas no ténis é ganhar troféus. Não importa que tipo de troféu, o que procuramos é vencê-los. Até agora, no geral, estou muito contente com os últimos quatro anos. Joguei de forma incrível, vamos ver como corre daqui para a frente”, acrescentou Wawrinka, que vai ter no seu camarote, ao lado de Magnus Norman, Paul Annacone, ex-treinador de Roger Federer e Pete Sampras.

“É ótimo ter o Paul connosco. Para mim, o mais importante é tentarmos sempre encontrar coisas que podemos melhorar e alterar no meu jogo”, assegurou o helvético, que tem estreia marcada no Grand Slam inglês, onde no ano passado perdeu na segunda ronda, com o russo Danil Medvedev, 52.º ATP.