Vandeweghe atira-se ao WTA: «É um negócio. Não protege as jogadoras»

Distancia-se da imagem de estrela que muitas jogadoras do circuito feminino atingem e é mito pouco dadas a falinhas mansas quando se trata de dizer o que pensa. Características que fazem com que CoCo Vandeweghe tenha a fama de dever pouco à simpatia.

“Dizerem que sou arrogante é o maior equívoco que há sobre mim”, disse a norte-americano em entrevista à ESPN. “Não me considero arrogante quando estou perto das pessoas, mas vejo as pessoas chamarem-me de arrogante. Não consigo perceber. Não me faz sentir bem, mas, afinal de contas, o que as pessoas dizem não me afeta. Isso acontecia quando eu tinha 13 ou 14 anos, como qualquer pessoa”.

Sobre o WTA, Vandeweghe não tem propriamente elogios a fazer. “O WTA era suposto unir as jogadoras, mas há medida que o circuito evoluiu tornou-se noutra coisa qualquer. É um negócio, eles procuram torneios e patrocinadores, que é a função deles do ponto de vista do negócio, mas não há ninguém a proteger as jogadoras”, atirou a jogadora de 26 anos.