Próximo título de João Sousa? «Porque não já em Antalya?» diz Frederico Marques

João Sousa sagrou-se em Maio campeão do Millennium Estoril Open, torneio ATP 250. Para o número um nacional, só lhe falta conquistar um título em relva para ter o portfólio de todas as superfícies.

Sem vencer um encontro em relva há dois anos, e depois de eliminado na primeira ronda de Halle, João Sousa quebrou este domingo a malapata, e conseguiu seguir para a segunda ronda torneio.

Em Halle, na semana passada, estivémos à conversa com Frederico Marques, o treinador de João Sousa, que nos revelou que o título pode estar mais próximo do que pensávamos: “O título em relva já esteve perto. Penso que foi em 2014 fizemos uma meia-final em Rosmalen,  é a única final que nos tem escapado, mas também há poucos torneios. São só quatro semanas no circuito, a primeira nunca apostamos porque damos um bocadinho mais de prioridade à terra batida, e logo a seguir a Wimbledon queremos continuar competitivos em terra para chegar forte aos torneios no pó-de-tijolo após Wimbledon“.

Ainda assim, o técnico acredita que pode estar a surgir o próximo título do seu pupilo. Se está para breve? Sim, pode estar. O João joga bem, é competitivo. Tem um bom serviço aberto, estamos a trabalhar muito os princípios de jogada, falta-nos um bocadinho do meio campo para a frente e fechar mais bolas no vólei. O meu objetivo é que ele esteja competitivo em pares também, para ganhar mais confiança na rede. Porque não já na próxima semana [Antalya] um bom resultado? Eu sou ambicioso, já vi o João numa meia-final, a treinar em Halle com jogadores top-30 e a vencê-los de maneira tranquila nos treinos. Sei o valor dele, mas agora é preciso ganhar jogos.”

Frederico Marques adiantou ainda que a sorte nos torneios de relva também não tem estado do seu lado, e que com adversários difíceis nas primeiras ronda é difícil chegar longe em Wimbledon: “O João gosta de jogar em relva, já fez bons resultados. Os quadros nunca foram muito acessíveis em Wimbledon. Já defrontámos duas vezes o Wawrinka logo à primeira. Quando não se chega a Wimbledon como cabeça-de-série pode acontecer uma coisa dessas, mas estamos confiantes para um bom torneio. Estamos com o objetivo de fazer quartos-de-final, meias-finais em Antalya porque o nível indica que se pode conseguir.”