João Zilhão: «Fui apanha-bolas deste torneio em 1990 e estou muito emocionado por ver o João campeão»

O diretor do Millennium Estoril Open, João Zilhão, disse este domingo que a conquista do título do tenista português João Sousa é “irrepetível”. “O João tinha sido desilusão atrás de desilusão, mas este ano foi inolvidável, inesquecível e talvez irrepetível o que vivemos aqui hoje”, começou por referir, no balanço após concluída a prova portuguesa.

João Zilhão confessou mesmo que já sonhava com a vitória do número um português há muito tempo, mas não acreditava que pudesse acontecer. “Há muitos anos [que sonhava]. Fui apanha-bolas em 1990 e 28 anos depois poder viver este momento histórico para o desporto e para o ténis português é uma coisa inacreditável. Estou muito emocionado e comovido. O João merecia, teve três anos muito duros e tinha saído daqui desmoralizado”, recordou.

Com a histórica vitória de João Sousa, 68.º do ‘ranking’ mundial, na final, diante do norte-americano Frances Tiafoe, 64.º, por um duplo 6-4, em uma hora e 20 minutos, o diretor do Estoril Open acredita que o ténis nacional pode melhorar a partir daqui.

“[O João Sousa] Pode fazer muito pelo ténis português. As crianças precisam de ícones, de ídolos, que possam olhar para ele, ver que está ali a pessoa que idolatram e que não tinham isso no João em Portugal”, declarou.