Djokovic: «Chegar a este torneio como campeão deixa-me aliviado»

Batido nestas lides de jogar (e ganhar) em grandiosos e luminosos palcos, Novak Djokovic surge nesta 116.ª edição de Roland Garros a precisar de processar um punhado de novidades. É o novo emblema ao peito, o novo treinador e o inédito estatuto de defensor da Taça dos Mosqueteiros.

O agora embaixador da Lacoste, que surge em paris acompanhado por Andre Agassi pela primeira vez desde que foi anunciado como o seu treinador, estreou-se a vencer, esta segunda-feira, e, no final, confessou entrar nesta edição do Grand Slam parisiense mais leve do nas últimas edições.

“Voltar a este torneio como campeão é muito especial para mim”, disse Djokovic. “Nos últimos três, quatro ou cinco anos antes de 2016 chegávamos aqui, eu e a minha equipa técnica, com as expectativas muito altas. Voltar a este torneio como campeão deixa-me, mais do que tudo, aliviado. […] É uma sensação diferente, sem esse tipo de pressão e expectativas”, desabafou o jogador dos Balcãs, revelando, no entanto, que a forma como encara os desafios é a mesma.

“A minha abordagem mental é a de sempre”, frisou o número dois mundial, após o triunfo em três partidas. “Queria chegar aqui e estabelecer ligação com o público, com a intensidade certa”, destacou ‘Nole’, que diz ter tido “um início de encontro um pouco enferrujado”, queixando-se especialmente do saque. “Servi muito mal no terceiro set, quando o tinha encostado às cordas”.


“Talvez seja melhor trazer o Andre para a próxima conferência de imprensa, para poderem conversar com ele”


A primeira vitória de Djokovic foi acompanhada de perto pelo seu novíssimo treinador nas bancadas, que tem recolhido grande parte das atenções em solo gaulês. “Vou tentar usar o tempo passado com elen da melhor forma. Para já, tenho muita informação para processar. É exatamente disto que eu preciso neste momento, uma pessoa que perceba a transição jogador-pessoa. Estou a gostar muito até agora. Mas é difícil de dizer se se registaram diferenças significativas no court, porque estamos juntos apenas há alguns dias”.

Com o norte-americano de 47 anos a tornar-se o protagonista da conferência de imprensa, Djokovic deixou no ar uma sugestão. “Talvez seja melhor trazer o Andre para a próxima conferência de imprensa, para poderem conversar com ele (risos)”, concluiu Djokovic, antes de revelar que Agassi poderá ficar mais tempo consigo em Paris do que era inicialmente esperado. “Penso que o Andre está disponível para ficar até ao final da primeira semana”.

O campeão em título tem como adversário na segunda ronda nada mais, nada menos do que o ‘nosso’ João Sousa.

Sobre o autor
- Descobriu o que era isto das raquetes apenas na adolescência, mas a química foi tanta que a paixão se mantém assolapada até hoje. Pelo meio ficou uma licenciatura em Jornalismo na Escola Superior de Educação de Viseu e um Secundário dignamente enriquecido por cadernos cujas capas ostentavam recortes de jornais de Lleyton Hewitt. Entretanto ganhou (algum) juízo, um inexplicável fascínio por esquerdas paralelas a duas mãos e um lugar no Bola Amarela. A escrever por aqui desde dezembro de 2013.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *