Os 5 courts onde ninguém quer jogar

Mar a perder de vista, temperaturas amenas, céu azul e sol firme. Olha-se para os courts de Monte Carlo, no Mónaco, e para o cenário idílico que o rodeia e, inevitavelmente, damos por nós a pensar: “mas que rica vida, a de tenista!”.

Pois bem, desenganemos a mente. E os olhos. Sítios como o Monte Carlo Country Club existem, sim, mas estão apenas ao alcance de pouco mais de meia centena de predestinados, e por apenas meia dúzia de dias por ano. Na verdade, o charme do Principado do Mónaco está longe de ser sentido pelos inúmeros cantos do mundo.

Os jogadores dos circuitos Challenger e Future que o digam. Neste caso, dizemos nós. O que se segue são alguns dos courts mais inóspitos do mundo, lugares de onde todos fogem a sete pés. Ou quase todos…


1. O pouco asseado torneio de Casablanca

Se já se tinha perguntado por que razão o torneio de Casablanca se mudou de malas e bagagens para Marraquexe em 2015 e ainda não tinha chegado a conclusão alguma, veio ter ao sítio certo. Robin Haase ajuda-o a perceber a mudança, de uma forma bastante visual. “Durante o torneio, os balneários estão tão sujos que preferes não tirar a roupa quando vais tomar banho”, escreveu o holandês no seu site depois de ter participado no ATP 250 marroquino em 2012. “Alguns jogadores preferem não tomar banho e esperar até chegarem ao hotel, à noite. Se os chuveiros são repugnantes, imaginem como são as casas de banho. Alguns jogadores têm de levar o seu próprio papel higiénico”, descreveu Haase, que, mesmo assim, conseguiu ver o copo meio cheio depois de ter sido assaltado: “Felizmente não levaram o meu computador e outros objetos de valor, como aconteceu com outros jogadores”.


2. O inferno de Assunção

Esta é uma daquelas histórias que quanto mais velha fica mais fascinante se torna. Pois bem, corria o ano de 1985 quando a  equipa francesa rumou a Assunção para o confronto da Taça Davis com o Paraguai, ciente de que o confronto não seria um mar de rosas, mas, ainda assim, longe de imaginar o que estava para vir. Henri Leconte e Yannick Noah depararam-se com um court montado num ginásio, onde o público se acomodava apenas a alguns passos das linhas laterais, logo atrás dos juízes de linha. Cerca de 3500 pessoas confinadas a um espaço limitado, com o público da casa munido de instrumentos musicais, que não se coibia de usar mesmo durante a discussão dos pontos. “Filho da p***” e “macaco” foram alguns dos “elogios” que Noah ouviu enquanto ia pisando um court feito com…. ripas de madeira. Os loucos anos 80.


3. O remoto Challenger de Qarshi

Um prize money de 50 mil dólares, boas infraestruturas, courts impecáveis e uma paisagem agradável como pano de fundo. O Challenger de Qarshi, no Uzbequistão, é um dos melhores torneios organizados no Oriente e um destino de sonho para os jogadores do circuito secundário. O grande senão? Qarshi fica a 400 km(!) da capital Tasquente, e a ligação para o aeroporto da cidade faz-se apenas por Moscovo e por Tasquente, com intervalos irregulares. É caso para dizer: infelizes daqueles que perdem na primeira ronda.


4. Ninguém “faz sala” no Future de Móstoles

Mostoles

O Future de Móstoles não é para meninos. Disputado em meia dúzia de courts situados num parque onde as sombras vêm dos prédios altos que o circundam, o torneio da província localizada a 18 km de Madrid não oferece aos seus jogadores mordomias de primeira. Nem de segunda. Aos jogadores não é permitido “fazer sala”, até porque não a há. A prova não tem qualquer clube associado, nem tão-pouco disponibiliza balneários aos atletas. O lado positivo disto é que há sempre histórias caricatas que desencantamos nestas alturas. “Perdi nos quartos-de-final depois de desperdiçar um match point. Acabei o meu encontro às duas horas de manhã e, como já tinha feito o check out no meu hotel, não pude tomar banho antes de ir apanhar o meu avião para Paris, às cinco da manhã. Feliz da pessoa que se sentou ao meu lado”, ironizou Tom Jomby, quando contou a história ao beIN Sports.


5. Challenger de Manta, ou como apanhar “seca” no paraíso

As praias de azul profundo e o clima tropical são atractivos que muito podem pesar na hora de planear o calendário da temporada e, nesse caso, o Challenger da cidade costeira de Manta, no Equador, jamais ficará por realizar por falta de inscritos. O problema pode vir depois, porque, já se sabe, nos cartões-postais não cabe tudo. Adrian Mannarino vem confirmar isso mesmo: “Depois de Wimbledon, passei lá uma semana [em 2014, quando venceu o torneio]. Almocei e jantei no clube durante toda a semana, e o hotel era mesmo ao lado do clube. Disseram-nos que a cidade era perigosa e que não devíamos andar a passear. Passei a semana toda entre o meu quarto e o clube, que ficava a 200 metros, e nunca apanhei uma seca tão grande”. Já dizia o outro: o título nem sempre compensa.

Sobre o autor
- Descobriu o que era isto das raquetes apenas na adolescência, mas a química foi tanta que a paixão se mantém assolapada até hoje. Pelo meio ficou uma licenciatura em Jornalismo na Escola Superior de Educação de Viseu e um Secundário dignamente enriquecido por cadernos cujas capas ostentavam recortes de jornais de Lleyton Hewitt. Entretanto ganhou (algum) juízo, um inexplicável fascínio por esquerdas paralelas a duas mãos e um lugar no Bola Amarela. A escrever por aqui desde dezembro de 2013.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *