Os 20 courts mais deslumbrantes do mundo

Como que a dar as boas-vindas ao torneio de Monte Carlo, no Mónaco, e ao seu paradisíaco court principal, o que temos para lhe mostrar reúne níveis de espetacularidade tão difíceis de atingir que vai passar a lembrar-se deles de imediato assim que proferir a célebre frase “quando eu ganhar o Euromilhões…”.

Falamos de courts, precisamente. A relembrar os adeptos de gostos modestos de que meia dúzia de linhas e uma rede não são suficientes para fazer o gosto à raquete e de que uma extravagância ou outra não só faz bem ao ténis como à alma, o site de viagens Business Insider [2015] elegeu os campos de ténis mais deslumbrantes do mundo.

O resultado são 20 courts absolutamente inspiradores e de cortar a respiração, espalhados um pouco pelos quatro cantos do planeta. Passando os olhos pela arrebatadora lista, não é difícil imaginar-se a distribuir pancadas em cada um deles, confesse. A inspiração estaria garantida e a desculpa para a derrota também: “estava distraído com a paisagem”. Naturalmente.

~ Os 20 courts mais espetaculares do mundo ~

1. Peter Island, Ilhas Virgens Britânicas: Resort e Spa Peter Island

1

Uma raquete e um fato de banho e não se pedia mais nada, verdade? Além de o descanso à sombra da palmeira estar garantida, as “madeiradas” deixariam de ser tudo menos inoportunas nesta ilha privada… “Vou só ali apanhar a bola e já volto”.


2. Positano, Itália: Il San Pietro di Positano

2

Tente lá encontrar um defeito neste cenário… Missão impossível, ou não fosse um dos luxuosos locais eleitos por George Clooney para descontrair do stress da sétima arte. Só há um court disponível no resort mas, a flutuar no Mediterrâneo e a acenar à ilha de Capri, vale por dezenas.


3. Kamuela, Hawai: Hotel Mauna Kea Beach

3
É o mar a perder de vista, são as brisas salgadas, é o pôr do sol ao fim da tarde. Os hóspedes deste luxuoso hotel têm tudo para espalhar magia nos onze courts disponíveis, seja em aulas privadas, seja durante os torneios de round-robin organizados pela gerência. Não pensava duas vezes, não era?


4. Gstaad, Suíça: Gstaad Palace

4
João Sousa mostrou em 2015 não querer sair de Gstaad tão cedo, tendo alcançado os quartos-de-final do ATP 250 suíço, e, olhando para o cenário que nos chega da Suíça, é fácil perceber a razão.


5. Parque Nacional Serengeti, Tanzania: Singita Sabora Camp

5
Ter uma manada de zebras a entrar pelo court é algo natural por aqui, tal como jogar debaixo de 30 graus, mas a beleza das planícies africanas valem seguramente o desafio.


6. Charles, Iowa: All Iowa Lawn Tennis Club

6
A prova de que não há sítios certos para jogar ténis. Basta alguma dose de paixão (e loucura) e uma boa inspiração. Vejamos: em 1962, Mark Kuhn ouviu a transmissão de Wimbledon pelo rádio do seu avô e não descansou enquanto não construiu o seu próprio campo em casa. O Centre Court versão campestre pode ser pisado por qualquer pessoa, basta enviar um email a fazer a reserva.


7. Stoke Poges, Inglaterra: Hotel Stoke Park Hotel

7
Lembra-se de ouvir falar do Boodles Tennis Challenge? O torneio de exibição que é uma espécie de aquecimento para Wimbledon, precisamente. Se não percebia muito bem a razão da sua existência e, ainda mais, a presença de nomes como Novak Djokovic e Rafael nadal, aqui tem a resposta. Do mais zen e encantador que há.


8. Dunblane, Escócia: Hotel Cromlix

8
Desfrutar do court do Hotel Cromlix implica jogar de coroa ou tiara. O cenário é digno de histórias de príncipes e princesas e o proprietário é, nem de propósito, o rei do circuito masculino: Andy Murray.


9. Newport, Rhode Island: International Tennis Hall of Fame

9
Tem ar de quem pertence ao All England Club, mas a verdade é que foi neste verdejante court que teve início, imagine-se, o Open dos Estados Unidos. Em 1881. E porque a história se paga cara, cada meia hora em cima desta imaculada relva (com ténis brancos calçados, naturalmente) custa cerca de 80 dólares.


10. Wesley Chapel, Flórida: Saddlebrook Resort

Sendo a Flórida uma verdadeira fábrica de fazer jogadores, não é de admirar que venha de lá um dos mais admiráveis complexos do mundo. Há quase meia centena de courts em Saddlebrook.


11. Kiawah, Carolina do Sul: Kiawah Island Golf Resort

11
É só escolher. Este resort em Kiawah tem courts espalhados por muitos hectares da ilha e foi considerada a melhor estância por milhares de jogadores, segundo o site Tennis Resort Online.


12. Denver, Colorado: Grand Hyatt Denver’s Skycourt

12
O que é que pode correr mal num court como este? Muito pouco. Com vista para as montanhas rochosas e com 300 dias de sol por ano, Denver promete ténis ao mais alto nível.


13. Nova Iorque: USTA Billie Jean King National Tennis Center

13
Vizinhos do Arthur Ashe Stadium, os 33 courts que perfazem o USTA Billie Jean King National Tennis Center não foram também esquecidos pela Business Insider. Aqui respira-se ténis de primeira linha.


14. San Francisco, Califórnia: Alice Marble Tennis Courts

14
Com vista panorâmica sobre a baía de São Francisco e a famosa ponte Golden Gate, conquistar triunfos nunca se revelou tão fácil como nos courts do Alice Marble. Bom, se não for o caso, lidar com a derrota será o que menos o vai preocupar.


15. Ilha de Harris, Escócia: Bunabhainneadar Tennis Court

15
No meio do nada, este court na Ilha de Harris, na Escócia, é propriedade de uma instituição de solidariedade, que conta com Mike Briggs (antigo 37.º ATP) para dar treinos. Se for para aquelas bandas, basta fazer reserva atempadamente para ter o privilégio de jogar num lugar tão zen como aquele. A vontade de partir raquetes não surgirá por lá, fica a garantia.


16. Stowe, Vermont: Topnotch Resort e Spa

16
Dez courts, quatro dos quais indoor, para que os duros invernos de Vermont não interfiram na prática do ténis. No Topnotch pensa-se em tudo e essa é uma das razões por que está entre os dez melhores resorts do país.


17. Bahamas ou Alaska: MV Norwegian Pearl

17
Ténis, basquete ou vólei. A bordo do MV Norwegian Pearl é a diversidade quem reina, seja rodeado pelos glaciares do Alasca ou pelo sol das Bahamas.


18. Going, Austria: Stanglwirt Hotel

18
E porque a terra batida tem também uma palavra a dizer nesta coisa dos mais bonitos courts do mundo, eis que os Alpes Austríacos se apresentam com pompa e circunstância no 18.º lugar.

19. Nova Iorque: Clube de Ténis e Fitness Vanderbil

1

Não é rodeado por paisagens paradisíacas mas é igualmente fascinante. O Grand Central em Nova Iorque fica no interior de uma estação de comboio e, veja-se, é aberto ao público. O único (grandioso) senão? Custa 250 dólares por hora.


20. Dubai, Emirados Árabes Unidos: Underwater Courts

20
Não passa de um projeto, mas, tendo em conta que se trata das Arábias, certamente que não vai demorar a sair do papel. A ideia de um court de ténis aquático partiu do arquiteto polaco Krysztof Kotala e tem reunidos muitos adeptos por todo o mundo.

Sobre o autor
- Descobriu o que era isto das raquetes apenas na adolescência, mas a química foi tanta que a paixão se mantém assolapada até hoje. Pelo meio ficou uma licenciatura em Jornalismo na Escola Superior de Educação de Viseu e um Secundário dignamente enriquecido por cadernos cujas capas ostentavam recortes de jornais de Lleyton Hewitt. Entretanto ganhou (algum) juízo, um inexplicável fascínio por esquerdas paralelas a duas mãos e um lugar no Bola Amarela. A escrever por aqui desde dezembro de 2013.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *