10 frases que deixaram marca na terra batida do Estoril

No calendário ATP é apenas mais um torneio, mas no calendário dos portugueses o Millennium Estoril Open significa uma semana inteirinha de muitas e intensas experiências tenísticas, que tardam em esmorecer, mesmo com a entrada em cena do grandioso Masters 1000 de Madrid.

Antes que a terra batida do Clube de Ténis do Estoril assente de vez, e numa altura em que ,João Sousa vai já brilhando na Caja Mágica, relembramos algumas das frases que mais marca deixaram no pó-de-tijolo nacional durante os últimos dez dias.

10. Nick Kyrgios

“Vou provavelmente voltar, é um dos meus torneios preferidos em terra batida, por isso é possível.”

9. Benoit Paire

“Os torneios mais importantes não são estes, são os Masters 1000 e os Grand Slams”.

8. Nick Kyrgios

“Claro que posso pensar rapidamente em 50 coisas melhores para fazer no dia de anos do que jogar ténis, daí algumas das minhas reações”.

7. Nicolas Almagro

“Estranho seria que me apoiassem a mim, ele é que é a estrela aqui. […] É um prazer poder jogar perante esta gente”.

[Sobre embate com João Sousa]

6. Gastão Elias

“Não sei se inicialmente o horário estava reservado para mim, mas pronto… tive alguma sorte”.

[Sobre ter Marcelo Rebelo de Sousa a assistir ao seu encontro no dia em que era suposto jogar João Sousa]

5. Borna Coric

“Isto é um sítio ótimo para estar com a minha namorada, há locais para passear, para jantar e tudo isso. E depois eu também sou um pouco ciumento, é bom tê-la por perto”.

4. Pablo Carreño Busta

“É pena que só haja um torneio por ano em Portugal”.

3. Benoit Paire

paire

“O meu pé não está muito bom, a minha perna também não, ontem perdi um dente…”

2. Nicolas Almagro

“Vou lutar para apanhar o Nadal. Só faltam 50 ou 60 mais [faltam 39]. Nem que jogo Challengers ou Futures”.

[Sobre ser o segundo jogador no ativo com mais títulos na terra batida, atrás de Rafael Nadal]

1. Gastão Elias

“Eu queria era a medalha de bronze no [jornal] Record”.

[Após a derrota nos quartos-de-final na variante de pares]

 

 
Sobre o autor
-

Descobriu o que era isto das raquetes apenas na adolescência, mas a química foi tanta que a paixão se mantém assolapada até hoje. Pelo meio ficou uma licenciatura em Jornalismo na Escola Superior de Educação de Viseu e um Secundário dignamente enriquecido por cadernos cujas capas ostentavam recortes de jornais de Lleyton Hewitt. Entretanto ganhou (algum) juízo, um inexplicável fascínio por esquerdas paralelas a duas mãos e um lugar no Bola Amarela. A escrever por aqui desde dezembro de 2013.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *