Federer responde a Wilander e McEnroe e pede proteção: «Já fiz muito pelo circuito e deviam proteger-me»

Roger Federer voltou a falhar toda a temporada de relva e não ficou isento de críticas, nomeadamente de Mats Wilander e John McEnroe, que afirmaram por várias ocasiões que a decisão de Federer saltar toda a temporada de terra batida foi prejudicial não apenas para Roland Garros, mas também para a modalidade.

Em Estugarda, onde está a jogar esta semana, Federer lamentou tais críticas durante a sua ronda de imprensa com os jornalistas suíços. “Cada um diz o que lhe apetece, há liberdade de expressão, mas claro que não gosto de ouvir dizerem que eu devia ir jogar nem que fosse para ser arrasado. Quem quer defender o ténis deve desejar que eu jogue ao meu melhor nível em todos os torneios”.

O suíço de quase 37 anos chega mesmo a falar em alguma proteção do circuito. “Eu jogo há 17 anos sem parar. Não sou como outros jogadores que deixaram de jogar determinadas fases da temporada apenas porque ficava longe da casa deles. Eu tento proteger-me e sei que se eu durar mais anos isso é melhor para a modalidade. Já fiz muito pelo circuito e o próprio circuito deveria proteger-me das críticas de alguns diretores de torneio e dizerem-lhes que eu sou livre de decidir o meu calendário e a minha vida. Algumas críticas vão longe demais…”

Federer lembra que se apercebeu de que a sua carreira não seria eterna durante a sua lesão. “A minha lesão no joelho mostrou-me que se quero continuar a jogar ténis tenho de ser inteligente e seletivo”, confessou o helvético, que não joga em terra batida desde o Masters 1000 de Roma, em 2016.