Del Potro sobre Olímpicos: «Veremos se há alguma forma de ir… algum convite»

Juan Martin del Potro não esperava um regresso a Buenos Aires tão tardio, mas os bons resultados a isso obrigaram. Quase um ano sem competir, o argentino de 27 anos voltou à competição em Delray Beach, Flórida, na semana passada, para mostrar – sobretudo a si mesmo – que valeu a pena não desistir.

 Venceu três encontros consecutivos e só parou nas meias-finais. O balanço, esse, só podia ser para lá de positivo, mesmo que “todo o corpo doa”, porque, afinal, “são dores bonita” e “próprias da competição”. Satisfeito por ter crescido à medida que a prova norte-americana foi avançando, Del Potro admite sair deste reencontro com os courts “muito motivado” para o que aí vem.

 Para já, vem aí o Masters 1000 de Indian Wells, para o qual o atual 420.º do ranking mundial recebeu um muito desejado convite. Isso não o impede, no entanto, de deitar o olho ao grande acontecimento desportivo do ano, em agosto.

“Gostava de poder ter uma experiência olímpica como tive em Londres (2012). Os Jogos Olímpicos são únicos. Por uma questão de ranking sei que não posso participar, mas veremos se há alguma forma… algum convite. Obviamente que seria um sonho poder ir, mas acho que é pensar muito a longo prazo e eu tenho que ir com calma”, declarou o jogador de Tandil.


Quero jogador com todos os grandes jogadores, em condições iguais. Três nomes? Os três primeiros


Del Potro vai ainda mais longe no que toca a aspirações futuras. “Quero jogador com todos os grandes jogadores, em condições iguais. Três nomes? Os três primeiros”, adiantou o campeão do US Open (2009), que não há muito tempo pensou seriamente em abandonar o circuito.

“Inicialmente [pensei nisso], principalmente antes da operação. Havia muita frustração por ter de encarar a terceira cirurgia em tão pouco tempo, foi complicado. Sabia que o regresso demoraria a chegar e que iria ser um processo muito complicado”.

Agora, largos meses depois de muitas indecisões e dúvidas, “penso que estou na última etapa da recuperação total, há muito tempo que o pulso não me incomoda”, concluiu otimista Del Potro.