Murray: «Ninguém no Mundo move tão bem a direção da bola como o Nishikori»

Andy Murray e Kei Nishikori jogaram esta quarta-feira o mais longo encontro da história da fase de grupos das ATP World Tour Finals (várias finais à melhor de cinco sets demoraram mais) e no final do encontro o britânico, número um mundial, deu muito mérito ao japonês de 26 anos, que o levou aos limites no triunfo por 6-7(9), 6-4 e 6-4, em 3h20.

“No primeiro set o Kei dominou todas as trocas de bola, tive muitas dificuldades. É muito difícil defrontá-lo, porque não há ninguém que mova tão bem a bola como ele. Só no terceiro set senti que entrei melhor e joguei bem, consegui mudar as coisas, porque ele poderia ter resolvido o assunto em duas partidas”, assumiu em declarações logo após o encontro.

O britânico tentou fugir ao tema Djokovic, mas lá foi deixando uma resposta ou outra. “Neste momento não sei o que se poderia passar num jogo entre mim e o Novak. Na perspetiva do fã, uma final entre nós seria a maneira ideal de terminar a época. Mas vamos ver o que acontece…”

Sobre o autor
- Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Jornalista do Jornal Record desde 2013. Entrou no Bola Amarela em 2008 e ainda por aqui está, a escrever sobre a modalidade que verdadeiramente o apaixona.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *