Pouille ajuda a França e lança ‘farpas’ aos colegas: «Para mim nunca será um sacrifício jogar a Davis»

Lucas Pouille foi o único dos cinco franceses presentes no top 30 ATP a disponibilizarem-se para a jogar os quartos-de-final da Taça Davis, em que a França derrotou facilmente a Grã-Bretanha rumo às meias-finais, e no final da eliminatória não esqueceu aqueles que, por uma razão ou por outra, optaram por não jogar.

“Foi um fim-de-semana muito emotivo e especial. Para mim, nunca será um sacrifício jogar a Taça Davis pelo meu país. Quero jogar as meias-finais em casa, diante da Sérvia, e gostava que fosse em Roland Garros. Seria uma honra enorme”, assegurou o número três gaulês, que figura no rankin ATP atrás de Jo-Wilfried Tsonga e Gael Monfils.

Sobre o autor
-

Artigo escrito ou editado pela equipa de redação.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *