Norman: «Sem Murray, Djokovic e Wawrinka, as coisas ficaram mais fáceis para Rafa e Roger»

Os incríveis e surpreendentes resultados de Rafael Nadal e Roger Federer nesta temporada não são mérito apenas e só dos próprios. Severin Luthi, treinador de Roger Federer, foi o primeiro a admiti-lo e agora é a vez de Magnus Norman revelar que partilha da mesma opinião

“Sem Murray, Djokovic e Stan [Wawrinka], o Roger e o Rafa aumentaram as hipóteses de serem número um”, disse o sueco ao Tennis Circus. Não lhes tiro o mérito, mas penso que sem eles foi mais fácil. O Roger provou que se pode continuar a ser competitivo aos 36 anos se o físico e a mente o permitir. E o Rafa, para mim, é um extraterrestre, superou todos os obstáculo para regressar. Voltar a ser número um do mundo dez anos depois significa que é um campeão”

O segredo para o sucesso tardio dos jogadores que dominaram a época, diz Norman, tem tudo a ver com gestão e foco nas prioridades. “Eles têm objetivos muito concretos, planos para alcançá-los e uma equipa para contornar obstáculos, proporcionando-lhes tranquilidade. Acho que isso pode ser aplicado em qualquer nível, e essa é a fórmula para o sucesso. Os jogadores têm ferramentas precisas, plano de jogo definido, são fisicamente fortes e estão comprometidos ao máximo”, concluiu o antigo treinador de Wawrinka.

Sobre o autor
- Artigo escrito ou editado pela equipa de redação.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *