Murray não precisa de olhar para o que Nadal e Federer fizeram, diz antigo treinador

Quando grande parte da comunidade tenística apregoa que os jogadores lesionados que estão de volta ao circuito em 2018 deviam ter em Rafael Nadal e Roger Federer um exemplo a seguir, pelos regressos surpreendentes que protagonizaram este ano, eis que Mark Petchey diz que a solução não passa exatamente por aí.

Para o antigo treinador de Andy Murray, o escocês de 30 anos, que não joga desde Wimbledon por culpa de uma preocupante lesão na anca, é suficientemente inteligente traçar o seu próprio caminho em direção ao regresso triunfador. “Para o Andy, o mais importante em Brisbane é ser capaz de jogar a cem por cento fisicamente, para se equiparar ao nível da elite rapidamente”, afirmou Petchey à Sky Sports.

“Não tenho dúvidas de que ele vai voltar ao seu melhor, se estiver bem fisicamente. Está num estágio em que terá que fazer as coisas um pouco diferentes, e lidar com a anca e o problema que tem agora. Ele é suficientemente intiligente para tomar suas decisões, não é justo dizer que ele deveria olhar para o que o Rafa e o Roger fizeram em relação ao calendário”.

“Ele precisa de se concentrar nele, jogar eventos de preparação para um Grand Slam ou perder a parte do piso rápido e jogar mais em terra batida. Ele precisa de se focar no que vai lhe permitir competir o mais tempo possível no topo”, acrescentou o antigo treinador.

Murray tem o ATP 250 de Brisbane, na Austrália, na semana que vem, como primeiro torneio de 2018, mas, ao que tudo indica, não está descartada a possibilidade de fazer uma cirurgia à anca, que o faria perder a primeira parte do ano.

Sobre o autor
- Artigo escrito ou editado pela equipa de redação.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *